Olá Divas, eu espero que esteja tudo bem com vocês!!!  Como eu disse no post anterior, fazia muito tempo que eu não publicava nenhuma entrevista de sexta-feira, então nessa sexta-feira eu decidi publicar duas entrevistas fresquinhas para vocês!!!

A primeira vocês já viram foi com a Carla do blog moçambicano Carla XII e agora vocês vão ver a segunda com a Roberta do blog AROUND AND ABOUT. A Roberta também trabalha na revista  CAUSE Magazine. 

entrevistaroberta_taravivendo

BLOG

TARA: Como e por que você começou o seu blog?

ROBERTA: Comecei a trabalhar na área de mídia ainda durante a faculdade de jornalismo. Passei por algumas agências de publicidade e aprendi uns 80% do que sei sobre jornalismo digital fazendo parte da equipe de criação do Sakei.com, um dos primeiros portais de entretenimento on line, de 1999 à 2001. Então, em 2002, deixei esse mundo para trás e fui viajar para estudar gastronomia. Foi uma experiência incrível que abriu minha cabeça para muitas coisas que vim a fazer mais tarde. Porém, a jornalista nunca morreu em mim. Quando decidi voltar a escrever, em 2011, encontrei o mercado num momento muito confuso; a mídia impressa morrendo e o digital ainda muito desestruturado. Por isso, achei que a melhor opção seria montar meu próprio veículo para falar de assuntos que me interessavam. Assim nasceu o Around and About.

TARA: Por que o nome de AROUND AND ABOUT ?

ROBERTA: Tenho um olhar muito curioso, a ponto de ficar um pouco (mentira, um muito) nervosa quando as coisas estão acontecendo e eu não estou sabendo. Acho que todo jornalista é um pouco a mistura de um curioso e de um fofoqueiro; não basta a gente saber, tem que comunicar. O nome Around and About veio desse espírito, de descobrir e compartilhar o que está rolando no mundo.

TARA: Como você planeja os posts para o blog?

ROBERTA: Seria mais prático se eu conseguisse montar os posts com uma certa antecedência mas nem sempre é possível. A notícia tem um prazo de validade curto. O que é importante hoje pode ser completamente irrelevante amanhã. Muitas vezes, como trabalho com análise de tendência, separo diversas imagens e informações interessantes e deixo que elas mesmas se cruzem, é quase como se a pauta se desenhasse sozinha sabe? O mais importante é ter a disciplina de sentar para escrever, manter-se informado e curioso. O que nasce disso é imprevisível, a alma é o segredo do negócio.

TARA: Qual é a parte mais legal de ser blogueira e a mais chata para você?

ROBERTA: A parte mais legal, sem dúvidas, é ter total liberdade de falar o que eu quero, como eu quero e quando eu quero. A mídia independente tem a possibilidade de não ter o “rabo preso” com empresas e patrocinadores que ditam as suas regras. A parte mais chata, pelo menos para mim, é encontrar esse equilíbrio comercial. Como hoje existem muitos blogs no ar, com os mais diferentes autores e conteúdos, certas empresas se sentem confortáveis em propor condições ridículas de trabalho e pagamento, tentando vestir a esperteza de oportunidade. Navegar por estes conflitos de interesse pode ser desafiador.

TARA: Como você consegue suas parcerias?

ROBERTA: Eu encaro as parcerias comerciais da mesma forma que encaro todas as parcerias da minha vida, aquilo precisa fazer sentido. É meio como esses aplicativos de relacionamento, os dois lados precisam estar interessados para dar um match. Quando eu acredito no trabalho de uma marca, vou atrás dela na maior cara de pau e proponho uma parceria. Quando uma marca acredita no meu trabalho, ela vem até mim. O que acontece depois é consequência de trabalhar para manter um bom relacionamento, como em qualquer relacionamento, respeitando os interesses, necessidades e desejos dos dois lados. Existem marcas, como a Levi’s por exemplo, que considero amigas pessoais. Chamaria a Levi’s para a minha festa de aniversário.

TARA: Quais são seus objetivos para o blog?

ROBERTA: Meu objetivo é que ele represente os interesses de uma grande turma que não está representada no digital. Hoje, o mundo começa a se libertar da massificação cultural e caminhar na direção do sustentável, do artesanal, das parcerias, da coletividade. Muita gente já está percebendo que existe uma outra possibilidade de vida, menos rasa, menos plástica. É com essas pessoas que eu quero falar, são essas pessoas que querem me escutar. Acredito, felizmente, que essa parcela da população está se tornando cada vez maior.

TARA: Como é sua rotina de trabalho com o blog?

ROBERTA: Nenhuma. A verdade é que é difícil estabelecer uma rotina porque sempre dependo de fatores externos. Uma semana posso estar na rua da manhã até a noite, sem tempo de parar para comer. Já em outra fico horas sentada na frente do computador, lendo, escrevendo, pesquisando… Acho melhor assim, fico muito agoniada de fazer sempre as mesmas coisas.

TARA: Como você trabalhou e trabalha para o crescimento do blog?

ROBERTA: No começo, eu não pensava em crescimento. Durante um bom tempo corri atrás do reconhecimento – achava que valia mais a pena ser pequeno e com conteúdo do que grande e descartável. Como falei antes, a parte comercial não é o meu sonho de trabalho e num dado momento senti que precisava de ajuda para expandir. Foi quando entrei no Boutique B Online, um coletivo de blogs que estava nascendo no Rio na época (uns 3 anos atrás). Ali, efetivamente comecei a crescer, conhecer pessoas e entender melhor a dinâmica desse mercado. Hoje, não faço mais parte de nenhum grupo mas devo muito do que conquistei às sócias do Boutique B (Bebel Schmidt, Kika Gama Lobo e Angela Hall). Acho que no mundo de hoje, fazer qualquer sozinho é um tiro no pé. Trocar idéias e compartilhar é a melhor maneira de aprender e criar oportunidades.

TARA: Alguma dica ou conselho para quem quer ser blogueira?

ROBERTA: Releia seus textos antes de publicar, a internet dá espaço de expressão para todo mundo mas isso não significa que os olhos alheios precisem ser queimados com erros grosseiros de ortografia e gramática. Não entendo isso, juro, o computador corrige, dê essa chance a ele! Preste atenção na qualidade das suas imagens. Não estamos mais nos primeiros passos dessa mídia, não é mais o momento de posar para o look do dia na frente de uma pia cheia de louça, com uma gambiarra de fios na parede. A internet não comporta textos muito longos e as imagens têm muita importância. Dê a devida importância a elas e não publique fotos toscas.

MODA

entrevistaroberta_taravivendo5

entrevistaroberta_taravivendo4

TARA: Como você produz o conteúdo editorial do seu blog?

ROBERTA: Leio compulsivamente os veículos especializados em moda (WWD, FFW, revistas e tal), frequento o máximo de eventos que consigo e estou sempre de olho no que está rolando nas ruas. Acho que para falar de moda, é preciso manter um olhar atento para as mais diversas manifestações culturais pois elas acabam sendo grandes termômetros sociais, além de precisas fontes de informação. Vou vendo tudo, anotando tudo, salvando tudo, tirando print de tudo. Quando sento para escrever, muitas idéias já estão esboçadas na minha cabeça e vão tomando forma.

TARA: Quais são suas referências?

ROBERTA: Revistas, passarelas, empresas de análise de tendências (trabalho com a Trendwatching e tenho a sorte de receber em primeira mão vários livros e relatórios) são super importantes mas também busco assunto e referências no cinema, na música, no supermercado… Jamais teria a calma da Gloria Pires em “não ser capaz de opinar”.

TARA: Como se tornar uma expert do mundo da moda, como você?

ROBERTA: Nossa, fico feliz em ser considerada uma expert. Sobre a moda, acredito que existam dois tipos de olhar – os que a enxergam como símbolo de status e os que a enxergam como uma expressão criativa. O primeiro caso é puramente “funk ostentação” e embora existam muitas pessoas elegantes nessa categoria, fica faltando criatividade. Como expressão criativa, a moda fica realmente divertida porque todas as regras são quebradas, aquelas peças, os anúncios, a fotografia, o desfile, o styling, a maquiagem, todo esse conjunto que cria o desejo de moda consegue nos penetrar profundamente e fazer sentido dentro das nossas preferências pessoais. Claro que é muito menos trabalhoso pendurar um chaveiro gigante e dourado na alça de uma bolsa. Já notou que raramente os trabalhos mais criativos são copiados? Quem deseja se aprofundar na moda deve ampliar o olhar e diferenciar a expressão artística da peça publicitária. Não permitir que a indústria defina as suas preferências.

TARA: Quais são os seus blogs/sites de moda favoritos?

ROBERTA: Gosto muito do WWD, acho o melhor dos portais. Encontro muita coisa legal no tumblr, gosto demais do da WGSN, por exemplo. Dentre os blogs, adoro o Into the Gloss e o The Blonde Salad. Dentre os nacionais, sou fã do Petiscos e do Dia de Beauté.

TARA: Uma marca nacional e uma internacional que não imaginaria o mundo sem.

ROBERTA: No Brasil, Havaianas. No mundo de hoje, Apple.

TARA: Como foi sua primeira experiência de SPFW?

ROBERTA: Adoro as semanas de moda, achei uma pena (embora compreenda os motivos perfeitamente) o fim do Fashion Rio mas acho que esse modelo já está desgastado. O SPFW ainda rolava no Ibiraquera quando estive lá pela primeira vez. Tudo era enorme e bonito e vi de perto nomes da moda que só tinha visto em fotos, até então. No entanto, acredito que a proposta do Minas Trend, de feira de negócio com desfiles pontuais, faça mais sentido no nosso momento. Não temos mercado consumidor para um glamour tão excludente.

TARA: Quais são suas dicas para quem quer entender mais sobre moda?

ROBERTA: Procurar, consumir e filtrar, através da sua própria maneira de pensar, a maior quantidade de informação de moda possível. A informação de moda está em todos os lugares.

TARA: Como você definiria o seu estilo?

ROBERTA: Criativo.

ROBERTA

 

 

entrevistaroberta_taravivendo2entrevistaroberta_taravivendo3

TARA: Como é sua rotina?

ROBERTA: Meu único hábito diário é dormir muito tarde. Trabalho melhor durante a noite, sou assim desde criança. O resto varia; preciso fazer certas coisas todos os dias tipo passear com a minha cachorra, limpar a areia dos meus gatos, nada muito emocionante. Todo resto deixo aberto, dificilmente consigo te dizer qual será a minha programação para a semana seguinte. Meu pai, que era super metódico e organizado, ficava desesperado comigo.

TARA: Como você se cuida para conciliar suas atividades diárias?

ROBERTA: Eu vou indo, sabe? Quando vou chegando perigosamente perto de dar curto, vou andar no parque para aterrar. Faço análise e também estudo astrologia, tudo isso me ajuda a manter uma postura mais tranquila e otimista na vida.

TARA: O que você geralmente faz nos finais de semana?

ROBERTA: Saio com o meu marido, com os meus amigos, leio o que não tive de tempo de ler, aproveito para ir aos lugares que sempre tem muito trânsito durante a semana… Moro no Jardim Botânico, que é um bairro que eu amo e onde todo mundo se conhece. Muitas vezes aproveito o tempo livre pra ficar fazendo essa social de rua, acho que sou meio que nem aquelas senhorinhas de varanda!

 TARA: Como é um dia perfeito para você?

ROBERTA: Abrir o olho sem ter hora de manhã, me vestir e ir emendando um programa no outro sem compromisso. Se eu não gostasse tanto de dormir, ia ter a menor conta de luz do bairro porque raramente estaria em casa.

 TARA: Você tem algum ritual de beleza?

ROBERTA: Sim, uns quinhentos. Tenho a pele muito seca, então me acostumei a hidratar ela sempre. Tenho o cabelo fino e ondulado então também entro da dança do secador, do shampoo de volume, da mousse, do produto para frizz… Para completar, sou viciada e compulsiva por maquiagem. Não posso entrar com dinheiro na mão em farmácias ou lojas de cosméticos. Sou capaz de descer no supermercado de olho de gatinho.

TARA: Quais peças de roupa e acessório você não pode viver sem?

ROBERTA: Calça skinny é a peça de roupa que eu mais uso, logo deve ser a que eu não posso viver sem. Adoro acessórios, todos eles. Adoro bolsas, sapatos, bijoux, chapéus, cintos. Minha regra nos acessórios é: quanto mais over, melhor. Nunca ninguém me deu a sugestão de por uma melancia na cabeça, sob risco de eu achar boa ideia.

TARA: Qual foi a viagem mais legal que você já fez? E qual lugar quer ainda conhecer?

ROBERTA: Amo viajar e tive a sorte de conhecer muitos lugares incríveis. Acho que a viagem mais legal foi para a Austrália, em 2004. Morei lá durante um ano e meio, fiz amigos que tenho até hoje e descobri que o mundo é grande e surpreendente. O lugar que ainda não conheço e tenho muita vontade é a Índia. Sou apaixonada pela cultura, pelas religiões, pelas cores. Como também adoro animais, um safari está nos meus planos.

TARA: Qual é o seu maior sonho?

ROBERTA: Transcender as dualidades da vida.

TARA: Como você se mantém motivada?

ROBERTA: Sou muito curiosa, acho que sou movida pela curiosidade.

TARA: Como você se mantém inspirada?

ROBERTA: Que pergunta difícil né? A inspiração é um bicho solto, ela aparece quando quer. Outro dia li uma frase que dizia: “Nada na natureza floresce o ano todo”. Achei genial e verdadeiro, tudo tem seu tempo.

CRISE DOS 25 ANOS

TARA: Como foi a transição para o mundo adulto para você?

ROBERTA: Foi na marra. Meu pai teve câncer e morreu quando eu tinha 29 anos anos, foram anos de absoluto pesadelo. Depois disso, fiquei adulta por absoluta falta de uma opção melhor.

TARA: Você teve a chamada crise dos 25 anos?

ROBERTA: Tive!!! Não tive essa crise aos 30 porque passei por ela aos 25. É um momento complicado da vida, quando você já tem muitas ambições e ainda não tem os recursos. Vai batendo um pânico de estar indo para a casa dos vinte e muitos. Depois passa, a gente faz as pazes com o que a idade traz de bom.

TARA: Você sentiu ou sente algum tipo de pressão? Seja pessoal ou das outras pessoas?

ROBERTA: Eu vivo na linha de tiro, que nem todo mundo.  A sociedade exerce essa pressão em cima do indivíduo, ainda que não seja pessoal. A maior pressão, pelo menos para mim, é mesmo a interna. É um desafio diário aprender a conviver com as minhas próprias expectativas mas acho que o segredo é manter a cabeça positiva. Até nos momentos de pressão, faz mais sentido chamar a responsabilidade para si do que ficar a mercê do destino. Sempre existe uma saída pela direita!

Divas, eu espero que vocês tenham gostado dessa entrevista com a Roberta!!! 

Divas, não deixem de comentar o que vocês acharam desse post! Seu comentário é muito importante para mim, para o blog e para as outras leitoras!!! Vou esperar por eles!!! Amo vocês e conversar com vocês todos os dias!

Um beijo grande para todas as DIVAS desse Brasil,

Tara <3

ps.Se inscreva e receba os posts na sua caixa de e-mail, você não vai perder a chance de descobrir a DIVA que mora dentro de você.